aprendizagem baseada em problemas

Aprendizagem baseada em problemas: o que você precisa saber

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no twitter

A educação tem evoluído e novas demandas, despertadas. Para acompanhar esse desenvolvimento, novas metodologias estão surgindo e sendo aplicadas nas salas de aula, a fim de trazer mais dinamismo e motivação aos estudantes. O método de aprendizagem baseada em problemas — ou Problem-Based learning (PBL) — é uma dessas propostas.

Essa estratégia visa estabelecer uma ponte entre a teoria e a prática, melhorando a interação entre o conhecimento e a sua aplicação. Além disso, ela prepara melhor os alunos para os futuros desafios que encontrarão no mercado de trabalho.

O que é a metodologia baseada em problemas?

O método de PBL (ou aprendizado baseado na resolução de problemas) originou-se na área médica. No caso, surgiu no final da década de 1960, na Faculdade de Medicina de McMaster, com o objetivo de estruturar o currículo do curso, pois os anos iniciais estavam defasados com uma formação predominantemente teórica e a prática ocorria apenas no final do curso. Assim, o PBL estabeleceu uma relação harmônica entre prática e teoria.

A aprendizagem baseada em problemas é um método de ensino que propõe a realização de atividades guiadas, com a finalidade de preparar os alunos para resolverem questões do mundo real.

aprendizagem baseada em problemas. conflitos reais

Essa estratégia é chamada de metodologia ativa, pois o protagonista na aula passa a ser o aluno, e não o professor. Essa mudança de percepção traz mais dinamismo e participação para as aulas, estimulando o estudante a entender o conteúdo por meio da prática.

A aprendizagem baseada em problemas se divide em três princípios básicos:

  1. o entendimento do problema surge através da interação dos alunos;
  2. o conflito cognitivo deve existir, pois é ele que estimula a aprendizagem;
  3. o conhecimento ocorre com o reconhecimento e aceitação da interpretação de vários atores sobre o mesmo fenômeno.

Mesmo que a proposta tenha surgido na área médica, os seus princípios podem ser utilizados em outras áreas de aprendizado, como o ambiente educacional. Esse método estimula o trabalho em equipe, a interação entre os envolvidos e simula situações que serão encontradas no cotidiano do aluno.

Por que essa metodologia é importante?

Utilizar essa metodologia é importante, pois o mercado de trabalho exige cada vez mais que os profissionais tenham uma formação voltada para a prática e desenvolvam competências multidisciplinares. Afinal, resolver problemas é parte importante do trabalho em uma empresa.

Por isso, o aprendizado baseado na resolução de problemas é uma excelente opção. Veja outros motivos para a implementação dessa metodologia.

Dá mais independência ao aluno

Esse método ativo integra os alunos por meio de projetos e faz com que o estudo seja mais autônomo e gere discussões acerca dos problemas, relacionando as disciplinas estudadas e os contextos vividos com as possíveis soluções. Ou seja, a metodologia faz com que o estudante crie a capacidade de pensamento crítico e seja mais independente para se posicionar na sociedade e resolver problemas.

Aumenta o engajamento

A metodologia também fomenta o engajamento dos alunos. Como as ações são práticas, os estudantes precisam se relacionar com os seus pares, e as atividades ficam mais divertidas e dinâmicas. Assim, é comum que a participação dos alunos aumente e o desempenho no geral seja mais satisfatório do que as atividades tradicionais.

Melhora o trabalho em equipe

A aprendizagem baseada em problemas é ótima para melhorar o trabalho em equipe. Nesses casos, os alunos dependem uns dos outros para chegarem a uma solução e precisam fazer concessões e ouvir outras opiniões durante o processo. Essa metodologia também estimula o desenvolvimento social e consegue atingir todos os estudantes simultaneamente, fazendo com que a evolução ocorra em sincronia.

Como trabalhar a metodologia na prática?

A metodologia PBL estrutura o ensino em atividades e exercícios práticos, apresentando aos estudantes problemas ou perguntas complexas que devem ser resolvidos em várias etapas. Os projetos práticos, normalmente, fazem os alunos utilizarem diversos tipos de conhecimento, bem como ferramentas para a solução, tais como: dedução lógica, tentativa e erro, aprendizado interativo e pesquisa.

Por serem atividades mais complexas, os professores sugerem a criação de grupos — nesse caso, é importante que o professor faça uma mistura entre alunos de habilidades diversas e incentive o trabalho em equipe.

A metodologia também pode ser aplicada no currículo disciplinar, implementando aulas e matérias específicas, que envolvam a discussão e resolução de projetos baseado em problemas. Na prática, é importante que haja integração entre os professores e que os projetos sejam multidisciplinares.

Nesse caso, os educadores podem promover feiras ou eventos de criação e os alunos devem apresentar soluções que utilizem conhecimento de várias matérias. Assim, cada professor abordará o projeto e desenvolverá uma parte dele em sua aula, e, ao final, a solução será apresentada em um evento único.

Na hora de realizar as avaliações, também é importante utilizar critérios específicos para validar se os objetivos foram alcançados. Com uma equipe multidisciplinar de professores, é possível criar critérios que avaliem as discussões em grupos, a capacidade de os alunos ouvirem e darem espaço a todos os integrantes, a execução do projeto e o modo como ele foi apresentado. E para sintetizar todo o conhecimento, os alunos podem criar relatórios sobre a experiência.

Como pensar uma aula aplicando a aprendizagem baseada em problemas

  1. Preparação

A aprendizagem baseada em problemas requer preparação antes da atividade. Portanto, é aqui que o professor planeja a aula.  E, na maioria das vezes, os estudantes vão precisar de conhecimentos prévios antes de resolver um problema.  Por isso, o docente deve concentrar-se mais nas competências básicas necessárias do que na ideia principal como um todo.  É como montar uma introdução ao problema, ela pode requerer aos alunos ler um capítulo de um livro, ou ler um documento antes de começar ou conduzir uma pesquisa relacionada.

  1. Defina o problema

Esse passo é o momento que o professor contextualiza o problema aos alunos. Logo, essa fase precisa ser verdadeiramente envolvente para que eles queiram engajar-se na atividade de aprendizagem. Nessa parte, ocorre a seleção de um papel (ou função) para os discentes baseados em uma situação problemática. Alguns exemplos de papéis dos alunos incluem: cidadão preocupado, membro do governo, jornalista, perito, professor, etc. Então, o professor diz aos alunos qual o problema que deve ser resolvido.  

  1. Analise o problema

Nessa etapa, o professor ajuda os participantes a identificar o que sabem, o que precisam saber e a definir quais são suas ideias sobre o tema. Então são conduzidas as primeiras discussões, a fim de encontrar o conhecimento básico necessário para resolver o problema. 

É aqui que os alunos precisam refletir sobre as suas experiências, para poderem construir a sua própria compreensão do problema. 

  1. Declaração de Problema

Essa etapa é o momento que os alunos identificam o problema a partir da perspectiva do seu papel. Geralmente é efetuada da seguinte maneira: “Como podemos … de tal forma, que …”.  Essa frase pode servir de modelo para ajudar a contextualizar essa fase. 

  1. Pesquisa e Compartilhamento

Os alunos são participantes ativos no processo de resolução de problemas. Nessa fase, a turma é dividida em grupos e cada membro deve ser designado uma tarefa.  Os membros dos grupos fazem a pesquisa necessária para encontrar soluções para o problema e compartilham o resultado uns com os outros. Portanto, essa é a parte mais longa e o professor deve agir como um facilitador do processo e não como uma autoridade.

Nesta fase, você pode aplicar alguma metodologia do ensino híbrido para dividir a sala em grupos mais eficientes.

  1. Gerar Soluções

O processo de aprendizagem baseada em problemas raramente tem uma resposta correta. Pois, nessa etapa, os participantes dentro dos seus grupos reúnem o máximo de soluções para o problema que conseguirem encontrar.  Quando todos terminarem o processo, é hora de compartilhar todas as soluções com a turma toda.  

  1. Determinar a solução que melhor se encaixa

Uma vez que todas as soluções tenham sido compartilhadas e entendidas, é hora de determinar a solução que melhor se encaixa para resolver o problema apresentado. É interessante que cada resolução tenha seus prós, contras, e consequências listadas para facilitar a escolha. Nessa análise, é interessante que os alunos enxerguem todas as perspectivas, as quais serão também avaliadas por seus colegas. 

  1. Preparar e apresentar a solução

Os alunos precisam sentir que seus esforços vão provocar uma mudança.  Esse é um componente importante da aprendizagem baseada em problemas, em que todos podem apresentar suas soluções a um tomador de solução, que pode ser indicado do professor. Os participantes precisam de tempo para preparar e apresentar as suas soluções e elas podem ter muitas formas: painéis de discussão, apresentações multimídia, vídeos, etc.

  1. Discutir o processo

Os participantes precisam fazer uma crítica ao processo que passaram.  Isso os ajuda a pensar criticamente sobre o que funcionou bem e o que poderia ser melhorado para a próxima atividade. Além disso, desenvolve a auto-crítica, fazendo o aluno a pensar nas suas ações e atitudes em relação ao problema proposto. 

Como a tutoria pode ajudar na aprendizagem baseada em problemas?

Além dos trabalhos desenvolvidos em grupos, as aulas com tutores também podem ajudar no aprendizado baseado em problemas. Ao contar com a ajuda de um tutor, o aluno pode ir além do seu entendimento sobre o problema proposto, ajudando-o a entender a perspectiva de outra pessoa para poder construir sua própria. 

A tutoria não se limita ao reforço escolar, os tutores auxiliam o aluno a explorar seus potenciais e desenvolver um aprofundamento em conteúdos de interesse deles. Assim, identificando outras perspectivas, se o pensamento crítico do aluno e os faz protagonistas da sua própria aprendizagem.

Entre em contato e veja como sua escola pode ir além do potencial dos seus alunos.

Referências

Problem Based Learning for K-12 Education

Problem-Based Learning from K12Academics

Compartilhar
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no twitter
Rodrigo Dutra

Rodrigo Dutra

Estrategista de marca e especialista de conteúdo, minha missão é encontrar formas de flexibilizar e personalizar o aprendizado para que alunos vão além de seus potenciais.

O que achou do artigo? Nos conte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Newsletter

Transforme a aprendizagem com a gente. Receba conteúdo no seu e-mail semanalmente.

Aprendizagem Personalizada

Inscreva-se na nossa Newsletter semanal

Fique por dentro de como a tecnologia tem tranformado a aprendizagem.