design thinking na educação

Como aplicar o design thinking na educação em 5 passos

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no twitter

Sumário

Para desenvolver a capacidade crítica e analítica dos alunos, com o objetivo de solucionar problemas ou propor novas ideias, é necessário o apoio de diversas ferramentas e métodos.

Com isso, práticas de outros segmentos também foram adaptadas para a escola, como é o caso do design thinking na educação

De forma geral, trata-se de uma abordagem que tem sido muito utilizada para identificar falhas e aperfeiçoar processos.

É também uma alternativa para promover a inovação e a criatividade, e, por ser centrado nas pessoas, tem bastante relação com o ambiente escolar. 

Neste artigo, vamos explorar mais sobre esse conceito, mostrar como o design thinking na sala de aula pode ser aplicado e os benefícios que ele traz para a prática escolar. Confira! 

O que é o design thinking?

O design thinking é uma abordagem que visa encontrar soluções para os problemas. Na educação, ele é conhecido por incentivar a aprendizagem investigativa e segue um processo estruturado.

Tanto educadores quanto alunos atuam de forma ativa e colaborativa, gerando conhecimento e desenvolvendo a empatia.

O conceito de design thinking tem início em 1970, com a publicação do livro Experiences in Visual Thinking, do professor de Engenharia da Universidade Stanford, Robert H. McKim.

A obra propõe impulsionar o raciocínio seguindo um modo visual de pensamento fundamentado em três elementos: ver, imaginar e desenhar. Essa integração ampliaria os métodos de discernimento, resultando em formas mais eficientes para resolver problemas.

O termo foi popularizado por outro professor, Rolf Faste, também da mesma universidade. Faste promoveu essa ideia por meio de cursos para desenvolver as habilidades de inovação dos estudantes e influenciar a criatividade. Dessa forma, mostrou como essa técnica é relevante também na educação.

Essa abordagem, portanto, se insere entre as diversas metodologias ativas – que representam uma nova perspectiva com relação à educação tradicional. Assim, por meio de uma participação ativa o aluno se torna protagonista do próprio aprendizado.

Design Thinking para no contexto escolar

Além disso, essa nova maneira de pensar o ensino também se relaciona aos princípios da Base Nacional Comum Curricular, a BNCC, que tem a proposta de um currículo único para a educação básica brasileira em que seja desenvolvido o pensamento crítico nos estudantes.

A ideia do design thinking aplicado no ambiente escolar busca melhorar a atuação de cada estudante, que passa a ter uma percepção mais real dos problemas educacionais. Click To Tweet

Além disso, muitas vezes, seu uso se torna lúdico e a turma se identifica mais. Logo, essa interação apresenta respostas mais positivas, afinal, qual o aluno que não gosta de aprender de maneira divertida?

Nesse contexto, a utilização do design thinking na sala de aula é crucial para que as escolas consigam desenvolver o protagonismo; a comunicação; cooperação; o pensamento científico, crítico e criativo dos alunos. 

Como aplicar o design thinking na sala de aula?

Introduzir o design thinking na sala de aula é despertar a criatividade dos alunos, pois eles passam a criar ideias novas, por meio de processos estruturados para descobertas e experimentações.

  • design thinking na educação
  • o que e%CC%81 design thinking
  • descoberta
  • interpretac%CC%A7a%CC%83o
  • idac%CC%A7a%CC%83o
  • experimentac%CC%A7a%CC%83o
  • evoluc%CC%A7a%CC%83o

Assim, o passo a passo para a sua utilização condiz em:

1. Descoberta: Descobrindo informações

A primeira etapa visa orientar os processos, estimulando a compreensão sobre como transformar um desafio ou problema em uma oportunidade, de forma a utilizar soluções viáveis.

fase de descoberta

É essencial incentivar os alunos a praticarem observação das pessoas que estão envolvidas no problema, entendendo suas necessidades. Pode ser estruturada com alguns passos básicos:

  1. Revise o desafio junto com a turma
  2. Cada aluno compartilha o que sabe
  3. Construção de equipes
  4. Definição do público envolvido na resolução do problema
  5. Estabelecer um plano de coleta de informações
  6. Coleta de informações

A coleta de informações pode ser feita através de entrevistas ou pesquisas na internet. O que for descoberto pode ser anotadas em post-its coloridos para serem agrupadas por temas ou afinidades.

2. Interpretação: Gerando insights

Nesta etapa, os alunos podem trabalhar as possibilidades de solução, pensando estrategicamente nos diversos cenários e desafios que podem encontrar pelo caminho.

fase de interpretação

É o momento transformar histórias e informações em insights para a resolução do problema. É fundamental todos compartilharem suas percepções e anotações que surgiram na etapa anterior.

Para facilitar o entendimento, deve-se encorajar os alunos a agrupar as informações coletadas em temas similares.

3. Ideação: Gerando ideias

Na fase de ideação, olhamos para o todo em busca de ideias para a resolução do problema com base no que foi interpretado.

fase de ideação

Aqui, a reflexão e a criatividade são as habilidades fundamentais praticadas pelos estudantes. Assim, eles conseguem propor boas soluções para o problema visto na etapa anterior.

Estamos buscando o maior número de soluções para o problema possível nesta etapa, sem julgamentos. É uma etapa que expande as possibilidades, por mais que sejam absurdas, elas podem abrir outros caminhos mais criativos de solução.

A etapa de ideação tem algumas regras para a geração de ideias:

  1. Evite julgamentos
  2. Encoraje ideias ousadas
  3. Construe em cima de ideias dos colegas
  4. Foco no problema
  5. Seja visual com as ideias (desenhar é o melhor)
  6. Quantidade é melhor que qualidade nesta etapa
  7. Errar é bem vindo

Elas também podem ser anotadas em post-its diferentes, mas, o importante, é fazer com que o aluno trabalhe soluções específicas para resolução do problema.

Depois da sessão de ideação, o grupo refina as ideias mais promissoras e por fim, vota nas soluções mais promissoras para seguirmos para a próxima etapa.

4. Experimentação: Prototipar para tornar as ideias tangíveis

O momento da prototipação pela aplicação do design thinking na educação visa dar forma à ideia que responde melhor ao problema inicial.

fase de experimentação

Aqui, podem ser desenvolvidas representações visuais, separamos algumas ideias:

  1. Storyboards
  2. Modelos
  3. Diagramas
  4. Histórias
  5. Anúncio
  6. Encenação
  7. Material digital (blog, site, vídeo)
  8. Maquete

Se possível, o protótipo deve apresentar uma escala proporcional ou mesmo real.

Ao terminar a etapa de prototipação, são feitas as validações para verificar como determinada solução se aplica, obtendo feedbacks dos professores e do público envolvido na pesquisa (se houver).

Em seguida, eles podem discutir a questão de forma colaborativa, sempre pensando em evoluir a experiência e o aprendizado.

5. Evolução

A fase de evolução dá uma perspectiva de continuidade para os alunos. Mostra como seria a aplicação do seu projeto, incentivando o protagonismo e impacto enquanto indivíduo.

fase de evolução

Envolve planejar os próximos passos, comunicar a solução para as pessoas envolvidas e documentar o processo.

Muito importante na fase de evolução é entender e definir como vamos saber se a solução foi um sucesso.

Quais os benefícios do design thinking para o ensino?

Um dos principais benefícios da utilização do design thinking na educação é permitir que os alunos explorem novas possibilidades sobre o problema que está sendo analisado, melhorando a construção de conhecimento.

Como essa é uma abordagem centrada nas pessoas, sua relação com a sala de aula permite criar oportunidades transformadoras aos estudantes, que passam a analisar questões sob perspectivas diferentes. Dessa forma, buscam por novas soluções aos desafios encontrados.

Veja outros benefícios que o design thinking na educação oferece para o processo de ensino-aprendizagem:

  • promove a empatia;
  • desperta a motivação e o interesse;
  • favorece a cultura de inovação nas aulas; 
  • ajuda a desenvolver competências e o protagonismo do aluno;
  • incentiva a reflexão e o aprimoramento contínuo da comunidade escolar;
  • possibilita novas oportunidades de aprendizagem;
  • estimula o pensamento e a criatividade para lidar com os desafios e as transformações do mundo.

Por fim, a formação do pensamento crítico, a partir de conceitos aplicados na escola por meio dessa abordagem, servirão de suporte para diversos outros aspectos na vida dos estudantes. 

Gostou da aplicação do design thinking para a educação? Comente o que você achou e compartilhe seus aprendizados para todos.

Compartilhar esse artigo:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no twitter
Sabrina Andrade

Sabrina Andrade

Tecnóloga em Marketing e graduanda de Letras pela Universidade Federal de Minas Gerais. Apreciadora de crônicas e livros infantis. Acredita que a educação possibilita um futuro melhor.

Gostou? Deixe sua opinião

Quer inovar a jornada educacional?

Seja um líder educacional e inscreva-se em nossa newsletter.

Esse website usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação