samr para escolas

SAMR: Guia prático para integração de tecnologias em escolas

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no twitter

A tecnologia tem o poder de transformar a aprendizagem. Mas o que sucede quando isso não acontece? O que ocorre quando recursos tecnológicos da escola, como iPads, se tornam obsoletos ou inutilizados e se transformam em uma versão super cara de uma mera planilha? O Dr. Ruben Puentedura procura uma solução para problemas como esse, na intersecção de tecnologia com pedagogia. 

Para responder algumas perguntas sobre a adoção e aplicação de tecnologia por escolas, ele cria um modelo chamado de SAMR: Substituição, Ampliação, Modificação e Redefinição. O SAMR é um modelo que oferece um método para enxergar como a tecnologia pode afetar o método de ensino e a aprendizagem dentro da sala de aula. O modelo do Dr. Ruben é baseado em uma progressão para a adoção de tecnologia, baseado nos caminhos frequentemente adotados.

Etapas do modelo SAMR

O modelo, como a sigla indica, apresenta quatro níveis: Substituição, Ampliação, Modificação e Redefinição. Tais níveis auxiliam a gestão escolar e o corpo docente a incorporar ferramentas e plataformas de aprendizado digital em seus planos de aula, conduzindo os benefícios do ensino híbrido para o ambiente escolar. 

O modelo de quatro etapas possui dois níveis. No primeiro, chamado Aprimoramento, as etapas de Substituição e Ampliação são aplicadas para melhorar alguma tarefa existente. Já no nível de Transformação, composto pelas etapas de Modificação e Redefinição, a tecnologia pode ser implementada a fim de criar algo completamente novo.

Quanto mais você progride no modelo SAMR, mais a tecnologia transforma a funcionalidade de uma tarefa. Essa transição pode ser observada através da produção de conteúdo multimídia e de uma ampliação da comunicação com o mundo para além dos muros da escola. 

Substituição

Nessa fase, a tecnologia substitui diretamente o modelo tradicional de como algo é feito, de forma simples. Aqui não há uma troca de funcionalidade pois ambos os métodos servem o mesmo propósito.

Por exemplo, se você estiver ensinando uma aula sobre história do Brasil, poderá usar uma versão eletrônica do documento em vez de uma cópia impressa. Os alunos também podem usar o computador para escrever uma redação sobre o tema, ao invés de usar lápis ou caneta e papel. 

Como entender se sua tarefa está na etapa de substituição

Nesta etapa, pergunte-se o que você pode ganhar substituindo as ferramentas tradicionais pela nova tecnologia. Inevitavelmente, algumas situações serão melhor e bem atendidas com caneta e papel.

Ampliação

Na fase de ampliação, a tarefa tradicional é novamente substituída diretamente por uma tecnologia, porém com algum aprimoramento em funcionalidade e na experiência do aluno. Ela é uma evolução da etapa de substituição na qual necessita-se criatividade para explorar as possibilidades das ferramentas que são adotadas.

Voltando ao exemplo da História do Brasil, um aluno ou professor pode incrementar a apresentação com um vídeo mostrando momentos importantes do período sendo estudado. Além disso, o professor pode criar uma planilha colaborativa com links de conteúdos importantes para serem explorados, compartilhando então o compilado com a turma. Dessa forma, os alunos podem adicionar outros links e conteúdos que acham interessante seus colegas consumirem.

Como entender se sua tarefa está na etapa de ampliação

Para identificar este nível, tente perceber se a nova tecnologia melhora ou aumenta a produtividade e o potencial de um aluno, em comparação com a metodologia que está sendo substituída. Se pergunte como determinada funcionalidade vai contribuir para o desenho da sua aula para além do que já é feito, observando se os alunos estão sendo capazes de alinhar a teoria de um conteúdo com a aplicabilidade prática e visual do recurso tecnológico. 

Modificação

Nesse estágio, estamos começando a passar de níveis de aprimoramento para níveis de transformação dentro do modelo SAMR. A Modificação representa uma mudança real no desenvolvimento da lição e no resultado visível da aprendizagem. 

Como exemplo de modificação, tem-se o desenvolvimento de uma redação. Os alunos podem construí-la através de edições em um arquivo compartilhado e a partir de pesquisas de conteúdo na internet, sendo capazes de adicionar comentários e informações novas. Assim, podem posteriormente transformá-la em uma postagem em um blog. Então, o artigo é publicado para uma audiência de verdade, não é mais uma tarefa de classe, é um artigo transposto da sala de aula para o mundo.

Neste contexto, fica cada vez mais claro como aplicações de tecnologia podem aumentar o engajamento entre os alunos e desempenho em tarefas escolares. A tarefa não será feita apenas para os olhos dos professores, mas ficará compartilhada com a comunidade por muito tempo. Começamos a transformar o aluno em protagonista do seu próprio aprendizado, valorizando seu potencial de transmissor de informação.

Como entender se sua tarefa está na etapa de modificação

Para identificar se a adoção de tecnologia se classifica na etapa de modificação, nos perguntamos se a tecnologia altera o objetivo da tarefa significativamente. A modificação depende fundamentalmente da nova tecnologia? Como essa modificação contribui para o meu desenho de aula e para o crescimento pessoal dos alunos?

Redefinição

O último estágio do modelo SAMR é a Redefinição e representa o auge de como a tecnologia pode transformar a experiência de um aluno. 

O mesmo artigo para blog usado como exemplo anteriormente se torna um pacote multimídia. Os estudantes não estão apenas fazendo pesquisas na internet, mas também podem conectar-se com especialistas no mundo todo ou tirar dúvidas sobre o conteúdo instantaneamente com um tutor. Nesse nível, a turma não está somente escrevendo um artigo, mas também produzindo um podcast e um vídeo explicativo. 

O modelo de Redefinição se utiliza das possibilidades de comunicação e democratização de mídias, como vídeo e áudio, para transformar o processo de aprendizagem. É uma aplicação que demanda uma transformação cultural dentro da escola e ao mesmo tempo empodera o aluno e o coloca como protagonista e construtor do seu aprendizado.

Como entender se sua tarefa está na etapa de Redefinição

Para identificar o modelo de redefinição, nos perguntamos se as ferramentas tecnológicas permitem que os educadores redefinam uma tarefa tradicional de uma maneira que não seria possível sem a nova tecnologia, criando uma experiência completamente nova. A utilização dos recursos tecnológicos é indispensável nessa etapa.

Como o SAMR ajuda os professores?

O modelo pode auxiliar os professores a refletirem e entenderem como eles podem expandir o uso da tecnologia na sala de aula classificando o nível de SAMR de suas tarefas. Esse autodiagnóstico é muito importante para que os docentes sejam capazes de identificar novos formatos para sua sala de aula, além de poderem trabalhar no seu próprio desenvolvimento. Entendendo as possibilidades, muitas vezes na ponta dos seus dedos, os professores podem tomar a mudança para si, transpondo e incrementando a efetividade do aprendizado.

Por meio do SAMR, o professor também pode construir processos mais personalizados de ensino, melhorando o engajamento dos alunos nas tarefas e cultivando novas habilidades importantíssimas para o desenvolvimento individual do aluno.

SAMR dentro da escola

Os educadores e gestores falam sobre a incorporação de tecnologia nas aulas regularmente, mas a pergunta que precisamos responder é: Estamos fazendo isso de maneira significativa?

Apenas substituir um livro por um e-book ou PDF não é mais suficiente. É importante ter um objetivo e um plano de como integrar a tecnologia na sala de aula, não fazê-lo simplesmente por causa da tecnologia. Ao mesmo tempo, não deve-se cair na armadilha de cogitar que a etapa de Redefinição é a melhor abordagem em todos e quaisquer casos.

A melhor forma de ver o modelo SAMR é como um espectro gradativo, onde a etapa de Substituição pode ser sua melhor opção para uma tarefa específica. 

O principal aprendizado que tiramos deste modelo é que apenas adicionar uma camada de tecnologia em tarefas antiquadas não vai melhorar a experiência de aprendizado do estudante. O desafio consiste em alterar propositalmente a substância e conteúdo dessas tarefas para expandir as habilidades que os alunos precisam hoje, além das que precisarão no futuro.

Implementando o SAMR

Finalmente, considere como a tecnologia pode ser utilizada não só como uma forma de passar conteúdo, mas também para fortalecer as relações com os seus estudantes.

É importante enxergar o SAMR como uma caixa de ferramentas para você explorar dentro da escola. O objetivo não é utilizar a ferramenta mais sofisticada, mas sim encontrar a ferramenta certa para o trabalho. Mais importante, porém, é uma forma de refletir sobre a sua integração tecnológica, pensando em algumas questões-chave:

  • Como a minha aula pode ser melhorada utilizando a tecnologia?
  • Como posso envolver e empoderar os alunos através da tecnologia?
  • Como a aprendizagem online pode se assemelhar à aprendizagem presencial?
Compartilhar
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no twitter
Rodrigo Dutra

Rodrigo Dutra

Estrategista de marca e especialista de conteúdo, minha missão é encontrar formas de flexibilizar e personalizar o aprendizado para que alunos vão além de seus potenciais.

O que achou do artigo? Nos conte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Newsletter

Transforme a aprendizagem com a gente. Receba conteúdo no seu e-mail semanalmente.

Aprendizagem Personalizada

Inscreva-se na nossa Newsletter semanal

Fique por dentro de como a tecnologia tem tranformado a aprendizagem.