taxonomia de bloom

Taxonomia de Bloom: Guia completo para objetivos educacionais

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no twitter

A Taxonomia de Bloom, ou dos objetivos educacionais, foi criada em 1956 e consiste em um conjunto de três modelos hierárquicos estruturados ​​para classificar os objetivos de aprendizado educacional em níveis de complexidade e especificidade, além de dissecar diferentes níveis de aquisição e uso de conhecimento. As três listas abrangem os objetivos de aprendizagem nos domínios cognitivo, afetivo e psicomotor. A lista de domínios cognitivos tem sido o foco principal da educação mais tradicional e é frequentemente utilizada para estruturar objetivos, avaliações e atividades de aprendizado do currículo. Acompanhe abaixo uma melhor descrição da primeira versão de cada um desses domínios.

1. Domínio Cognitivo

Tal domínio tinha como objetivo categorizar objetivos educacionais e era composto de seis categorias: conhecimento, compreensão, aplicação, análise, síntese e avaliação.

1.1  Conhecimento: Envolve reconhecer e lembrar de fatos, termos, conceitos básicos ou perguntas sem necessariamente entender o que elas querem dizer.

1.2 Compreensão: Abrange demonstrar um entendimento de fatos e ideias, organizando, comparando, traduzindo, interpretando, descrevendo ideias principais.

1.3 Aplicação: Inclui usar o conhecimento adquirido – resolução de problemas – em situações novas aplicando o que aprendeu.

1.4 Análise: Engloba examinar e dissecar a informação em partes, além de determinar como essas partes se relacionam; identificar motivos ou causas, fazer inferências e encontrar evidências para apoiar generalizações.

1.5 Síntese: Compreende construir uma estrutura ou caminho de elementos diversos. Também faz referência ao ato de juntar partes para formar um todo.

1.6 Avaliação: Envolve apresentar e defender opiniões, fazendo julgamento de valor sobre a informação, a validade das ideias ou qualidade do trabalho baseado em algum critério.

2. Domínio afetivo

O domínio afetivo lida com nossos sentimentos e emoções, incluindo como enfrentamos com entusiasmo, rejeição, encorajamento e outros. Na taxonomia de Bloom, o domínio afetivo encoraja o estudante a não só receber, lembrar e entender a informação, como também a interagir com ela em uma forma pessoal e emocional. Ele é divido em cinco estágios:

2.1 Recepção: Capacidade de tomar consciência das próprias emoções e atitudes. 

2.2 Resposta: Aluno participa ativamente no processo de aprendizagem, recebendo e reagindo a estímulos.

2.3 Avaliação: Representa a atribuição de valor à informações e fenômenos.

2.4 Organização: Comparar, relacionar e elaborar todas as informações aprendidas.

2.5 Caracterização: Neste nível é forjada uma crença particular que pode influenciar o comportamento do estudante.

3. Domínio psicomotor

Os objetivos do domínio psicomotor representam a mudança de comportamento. Refere-se à destreza do alunado em habilidades psicomotoras. Assim como o domínio afetivo também é dividido em cinco subáreas:

3.1 Percepção: O indivíduo toma consciência do mundo exterior pelos sentidos.

3.2 Predisposição: Está fisicamente, mentalmente e emocionalmente preparado.

3.3 Resposta guiada: Quando o aluno é guiado por professores com instruções para realizar tarefas. Aqui entra o processo de tutoria.

3.4 Resposta Mecânica: Processo automatizado que acontece devido à repetição do processo guiado.

3.5 Resposta completa e clara: Capacidade de realizar ações de forma clara e efetiva.

A revisão da taxonomia de Bloom

A taxonomia de Bloom foi revisada em 2001 por um grupo de psicólogos cognitivos, teoristas e pesquisadores da área de educação. Ela acabou se deslocando de uma ideia estática de “objetivos educacionais”, atualmente apontando para uma classificação mais dinâmica. 

Houve mudanças em terminologias importantes nessa revisão. Basicamente, as seis categorias principais de Bloom foram alteradas de substantivos para verbos. Além disso, o nível mais baixo da pirâmide original, “Conhecimento”, foi renomeado para “Lembrar”. “Avaliação” e “Síntese” foram também renomeados para “Entender” e “Criar”, conforme apresentado na imagem abaixo.

revisão da taxonomia de bloom

Lembrar: Esse nível de base da pirâmide inclui lembrança de conceitos básicos, como a habilidade de declarar, repetir ou memorizar fatos.

Entender: A próxima etapa na pirâmide representa o estado no qual os estudantes podem explicar ideias ou conceitos. Aqui eles usam habilidades como interpretação, classificação, comparação, síntese e inferência. 

Aplicar: Os estudantes utilizam informação em situações novas como resolução de problemas, implementando planos de ação ou desenhando ideias, baseado em conhecimento prévio. 

Analisar: Nesta etapa o estudante faz conexões entre ideias, diferencia opiniões contrastantes, examina novas evidências e conduz experimentos para determinar a validade de uma hipótese.

Sintetizar: Os estudantes são capazes de justificar uma posição ou decisão, criticar pontos de vistas distintos e avaliar o valor das ideias que apoiam determinado ponto de vista. 

Criar: O topo da pirâmide é a criação de trabalho original por parte do estudante, onde podem desenhar, construir, investigar e gerar novas ideias. 

Mudanças de estrutura

A estrutura proposta inicialmente pela Taxonomia de Bloom era construída com apenas uma dimensão, sendo então proposta em 2001 a adição de uma segunda dimensão. A primeira dimensão, apresentada em 1956, se identifica como a dimensão do conhecimento, ou seja, o tipo de conhecimento a ser aprendido. Já a segunda dimensão identifica o processo cognitivo, isto é, o processo usado para aprender. 

Os autores revisaram a taxonomia para incentivar o dinamismo dos conceitos das classificações. A dimensão do conhecimento é composta de quatro níveis explicados abaixo.

Conhecimento factual: consiste em conhecimento da terminologia e conhecimento de detalhes específicos e elementos.

Conhecimento conceitual: abrange os conhecimentos de classificações e categorizações; conhecimento de princípios e generalizações; conhecimento de teorias, modelos e estruturas.

Conhecimento procedural: é representado pelo conhecimento de habilidades específicas para a disciplina e conhecimento de técnicas e métodos específicas para a disciplina.

Conhecimento metacognitivo: contém as ideias de conhecimento estratégico; conhecimento sobre tarefas cognitivas, incluído contexto apropriado e conhecimento condicional e autoconhecimento.

A tabela abaixo contém 19 subcategorias e pode ajudar professores a escrever objetivos e alinhar padrões curriculares.

taxonomia de bloom

Exemplo de aplicação da Taxonomia de Bloom

A taxonomia de Bloom foi uma das primeiras ferramentas para classificar o processo de pensar e aprender. Ela proporciona uma ferramenta de medição para o pensamento e é utilizada para estabelecer objetivos de aprendizagem, além de contribuir para o planejamento do processo de ensino-aprendizagem. 

Olhar como as lições e objetivos atingem cada nível da Taxonomia de Bloom é uma ferramenta produtiva para um educador. Isso pode transformar a técnica de perguntas. Abaixo citamos um exemplo de aplicação de um exercício para avaliar o entendimento da leitura do livro “Cachinhos dourados”.

Lembrar: descreva o local onde Cachinhos Dourados vivia;

Entender: resuma qual era o sentido e moral da história da personagem Cachinhos Dourados;

Aplicar: construa uma teoria de por que a Cachinhos Dourados entrou na casa;

Analisar: diferencie entre como Cachinhos Dourados reagiu e como você reagiria em cada evento na história;

Sintetizar: avalie se você acha que isso realmente aconteceu com Cachinhos Dourados;

Criar: Utilize recursos tecnológicos para exercitar a criatividade. Componha uma canção, poema ou rap para transmitir a história de cachinhos dourados em uma nova forma. 

Veja também: SAMR: Guia prático para integração de tecnologias em escolas

Apesar de ser um exemplo simples, conseguimos entender como aplicar a taxonomia de Bloom para avaliar o aprendizado. 

Fontes

Emerging perspectives on learning, teaching and technology

Bloom’s Taxonomy of Educational Objectives

Compartilhar
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no twitter
Rodrigo Dutra

Rodrigo Dutra

Estrategista de marca e especialista de conteúdo, minha missão é encontrar formas de flexibilizar e personalizar o aprendizado para que alunos vão além de seus potenciais.

O que achou do artigo? Nos conte.

Uma resposta

  1. Super Interessante! Essa leitura acrescentou muito ao meu leigo conhecimento em educação. Inclusive, fui capaz de notar partes desse método sendo aplicado em mim durante meus anos de ensino fundamental e médio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Newsletter

Transforme a aprendizagem com a gente. Receba conteúdo no seu e-mail semanalmente.

Aprendizagem Personalizada

Inscreva-se na nossa Newsletter semanal

Fique por dentro de como a tecnologia tem tranformado a aprendizagem.