atividades do ensino hibrido

4 atividades do ensino híbrido para aplicar nas suas aulas

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no twitter

A implementação de modelos de ensino híbrido nas escolas tem sido apontada como uma alternativa para minimizar os efeitos que as aulas não presenciais estão causando na educação. Muitos desses conceitos já fazem parte da rotina de escolas em todo o país, e neste texto vamos entender algumas atividades do ensino híbrido e como aplicá-los na prática.

Classificamos alguns exemplos de práticas pedagógicas mediadas pela tecnologia para ajudar a compreender como seu uso acontece no contexto da sala de aula de uma escola conectada.

Esperamos que, ao final deste texto, você saiba como aplicar metodologias que vão trazer inovações para a sua escola!

4 Atividades do ensino híbrido

1. Aula com rotação por estação

Essa proposta é uma das abordagens de ensino híbrido mais populares, utilizada por professores há décadas, principalmente no ensino fundamental. Uma maneira fácil de começar com este modelo é definir um dia na semana para fazer as estações.

Esse modelo permite que os estudantes revezem entre estações em uma agenda de tarefas fixa estabelecida pelo professor, que pode dessa forma trabalhar com grupos específicos de estudantes. O que qualifica essa abordagem como um modelo híbrido é quando ao menos uma dessas estações é realizada de forma on-line.

Suponhamos que, em uma aula de Ciências para o 6º ano, os alunos estão estudando o sistema nervoso. O educador divide a turma em duas equipes, com grupos de alunos de números equivalentes.

Na primeira estação, os estudantes pesquisam em livros didáticos da disciplina as principais características do cérebro humano, destrinchando em tópicos escritos em seus cadernos as anotações que considerarem importantes.

Na segunda, o grupo de alunos pode pesquisar em seus próprios celulares ou nos livros didáticos modelos de sistema nervoso. Posteriormente, cada um escolhe uma parte que chamar atenção e faz um desenho de modelo, adicionando características principais. Por exemplo: desenhar um neurônio e escrever ao lado qual a funcionalidade dele no sistema.

Em um momento final, os alunos vão concluir e aplicar o seu trabalho e pesquisa feitos nas duas primeiras estações. A proposta é que eles se dividam em grupos para compartilhar suas anotações e utilizem a plataforma Canva ou alguma outra de edição para criar uma postagem sobre o sistema nervoso de forma informativa, que será publicado em um Instagram fictício sobre o corpo humano.

Dessa forma, o grupo pode debater entre si e produzir um conteúdo coletivamente, utilizando-se de um recurso digital. Este momento pode ser realizado tanto em laboratório de informática como enviado em formato de trabalho para casa.

A definição do tempo de duração, formato de rotações e número de estações pode ser definida pelo professor, de forma a se adaptar à realidade de sua turma. O objetivo é que os alunos rotacionem de forma integrada para evitem a perda de quaisquer conteúdos e sejam capazes de conectar os aprendizados com a lição final.

2. Debate Virtual

Este método pode ser aplicado pedindo aos estudantes que façam uma pesquisa de palestras de especialistas, em casa ou no laboratório de informática, acerca de temas que tendem a ser polarizados e trazer alguma polêmica para o debate. A pesquisa pode ser feita no YouTube, em TED Talks ou qualquer outro site que ofereça palestras sobre temas variados.

atividades do ensino híbrido: debate virtual

Depois que os alunos encontrarem a palestra e detectarem o ponto de vista do especialista, divida a turma em dois grandes grupos heterogêneos. A ideia é que cada grupo defenda um posicionamento, pró e conta o posicionamento já apresentado pelo palestrante. 

Após a escolha do tema e divisão dos grupos, proponha que cada grande grupo de alunos faça uma boa pesquisa que os permita defender com propriedade teórica o ponto de vista que foi apresentado. Trazemos como exemplo três temas, que podem ser alinhados em diversas disciplinas escolares: mudanças climáticas, teoria evolucionista e desastres ambientais. 

Então, em sala de aula, pode-se organizar o espaço físico em dois lados para que se inicie o debate. O ideal é que o professor se informe previamente dos assuntos e seja o mediador do debate, a fim de organizar a ordem de fala dos alunos. A partir deste momento, cada aluno poderá defender seu ponto de vista e um outro aluno da polêmica contrária pode se opor, organizando seus argumentos.

Essa proposta de aprendizado é apropriada para alunos do ensino médio e superior e os ajudará a desenvolver habilidades de pensamento crítico, raciocínio lógico e argumentação persuasiva.

3. Dublagem criativa

A aula de língua estrangeira é um ótimo momento para a implementação de ferramentas híbridas de aprendizagem. 

Reúna os alunos em grupos de duas a três pessoas e peça para que eles busquem na internet vídeos de cenas de filmes ou séries. Um detalhe: os vídeos devem ser assistidos sem som nem legendas. Nesse caso, o idioma original do vídeo não é importante.

atividades do ensino híbrido: dublagem criativa

Em grupo, os alunos devem criar um diálogo para a cena no idioma da disciplina, utilizando o vídeo como inspiração. Como sugestão, peça para que os estudantes apliquem o conteúdo da matéria na construção do diálogo. Em sala de aula, reproduza o vídeo sem som, enquanto os alunos dublam as cenas com os diálogos que eles criaram.

Essas atividades do ensino híbrido pode ser realizada tanto presencialmente quanto em aulas remotas.

4. Sala de aula Invertida na prática

O modelo de sala de aula invertida, conhecido também como flipped classroom, é citado por educadores como uma alternativa ao formato tradicional de aulas expositivas, no qual o professor, em sala, introduz maior parte do conteúdo para os alunos, que o exercitam sozinhos em casa.

Na sala de aula invertida, o estudante recebe o conteúdo anteriormente, através de recursos virtuais, e leva suas principais dúvidas para debater com os outros alunos e com o professor. Dessa maneira, a aula passa a ser um momento de interação entre professor e estudantes, reservado para construir as atividades em grupo e sanar as dúvidas levantadas pela turma.

Saiba mais >> 12 prós e contras de uma sala de aula invertida

Para a atividade em casa, os alunos recebem vídeos de 5 a 10 minutos, apresentados pelos próprios professores, sobre o assunto da próxima aula. Os professores pedem aos alunos que preparem seis questões baseadas no conteúdo estudado.

Quando os alunos chegam à aula no início da semana, eles sabem exatamente o que vão estudar e vêm preparados com uma compreensão básica do tema, prontos para mergulhar de cabeça no conteúdo.

Durante a aula, os alunos, em grupos, aprofundam o assunto, com o professor disponível para orientar e apoiar. No final da aula, os alunos pegam tópicos individuais, que os levam a pensar criticamente sobre a matéria que estão explorando. 

Um dos principais desafios ao aplicar essa metodologia é o contato com o conceito sem o acompanhamento do professor. Algumas ferramentas se tornam especialmente relevantes nesse contexto, como a tutoria digital

Este tipo de serviço tem como o objetivo apoiar o aprendizado dos estudantes em casa através de tutores disponíveis a qualquer momento, otimizando a prática e disponibilidade do professor na sala de aula presencial. 

ensino híbrido: modelo jigsaw plano de aula completo

Conclusão

Atividades do ensino híbrido é sobre criar um espaço flexível onde o estudante tem uma experiência de aprendizagem personalizada e assume uma posição ativa em relação ao seu próprio conhecimento. E, antes de aplicar as metodologias de ensino híbrido, é importante que o educador entenda quais os seus efeitos diretos e possibilidades de aplicação para cada contexto educacional.

Aqui no blog da Tutor Mundi temos um guia completo com tudo o que você precisa saber sobre ensino híbrido em 2020. Aproveite e assine a nossa newsletter para ficar por dentro das principais novidades sobre metodologias ativas e novas formas de ensino! Até a próxima.

Fontes

Modelos de Ensino Híbrido

8 Terrific Blended Learning Strategies and 3 Fun Projects to Try

Compartilhar
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no twitter
Rodrigo Dutra

Rodrigo Dutra

Estrategista de marca e especialista de conteúdo, minha missão é encontrar formas de flexibilizar e personalizar o aprendizado para que alunos vão além de seus potenciais.

O que achou do artigo? Nos conte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Newsletter

Inscreva-se para receber conteúdo sobre ensino híbrido e personalização da aprendizagem no seu e-mail.

Quer inovar a jornada educacional?

Seja um líder educacional e inscreva-se em nossa newsletter.