Como trabalhar com alunos desmotivados e desinteressados nas aulas remotas

Como trabalhar com alunos desmotivados e desinteressados nas aulas remotas?

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no twitter

Sumário

Manter os estudantes motivados durante as aulas sempre foi um desafio para os professores e gestão escolar. Esse problema ficou ainda mais difícil de ser solucionado no ensino remoto.

Fora do ambiente escolar, controlar o foco e a atenção do aluno passou a ser uma tarefa que exige estratégias de aprendizagem e comunicação integradas à tecnologia.

Se no passado a mesma tecnologia foi a vilã das salas de aula, hoje ela é uma das principais aliadas para aumentar o interesse dos alunos no processo de ensino aprendizagem.

Mas por que há alunos desmotivados e desinteressados nas aulas remotas? Quais abordagens de aprendizado promovem um maior engajamento em sala de aula? Neste artigo, você vai aprender dicas para deixar seus alunos mais motivados em aulas remotas e presenciais.

Alunos mais desmotivados na pandemia

A chegada da pandemia e a necessidade de distanciamento social aumentaram a dificuldade de manter os estudantes envolvidos com as atividades escolares.

A pesquisa “A situação dos professores no Brasil durante a pandemia”, realizada pela Nova Escola em maio de 2020, coletou 9.557 respostas de professores para avaliar o status das aulas remotas e a participação dos alunos.

Ainda nos primeiros meses da crise, quase metade dos entrevistados afirmaram que os estudantes estavam participando pouco das atividades escolares. Apenas 4% disseram contar com participação total.

pesquisa sobre alunos desmotivados e desinteressados
Fonte: Nova Escola

O levantamento aponta que o baixo engajamento também reflete a desigualdade entre as redes pública e privada. Para 59% dos professores de escolas privadas, a maioria dos alunos estava participando das atividades, enquanto nas públicas o índice é de 32%.

Saiba mais >> Educação a Distância no Ensino Médio na pandemia de Covid-19

Erros do ensino remoto na pandemia

Uma das críticas à adoção do ensino remoto durante a pandemia foi a transferência do modelo de ensino tradicional para as aulas online.

Com aulas remotas, ao vivo, em ambientes de aprendizagem com poucos recursos, as escolas reproduziram uma série de erros que já eram cometidos no modelo tradicional,  como por exemplo a adoção de aulas puramente expositivas e pouco dinâmicas, que comprometem o interesse dos estudantes.

Além disso, os professores não foram capacitados a tempo para trabalhar com ferramentas digitais, o que aumentou a dificuldade na elaboração de conteúdos estimulantes, levando, consequentemente, ao desinteresse dos alunos.

Quais as consequências do desinteresse nas aulas durante a pandemia?

Alunos desmotivados e baixo engajamento não são problemas pontuais. Uma de suas consequências pode ser o aumento da evasão escolar, que têm índices já acentuados com o avanço da pandemia.

A alta nos índices de evasão escolar são sentidos no cálculo do IDEB, que mede o desempenho dos alunos na prova Saeb, a taxa de reprovação e abandono escolar.

Dessa forma, a avaliação da escola cai, puxando consigo a nota regional e comprometendo a meta definida pelo Plano Nacional da Educação (PNE), que estabelece estratégias para melhoria da educação no Brasil. 

A longo prazo, a evasão escolar tem o efeito de aumentar os índices de desemprego e a  concentração de renda, causando impacto negativo na economia do país.

Saiba mais >> Como reduzir a evasão escolar na pandemia?

Quais os fatores que influenciam no engajamento dos estudantes?

O nível de engajamento dos estudantes é dinâmico e está relacionado com o contexto no qual a escola está inserida. Mas existem alguns fatores em comum para aumentar o interesse nas aulas.

Segundo a pesquisa 2020 State of Engagement Report, realizada pela GoGuardian para medir o engajamento escolar nos Estados Unidos no contexto da pandemia, as aulas que tiveram melhores resultados foram as que incentivaram a discussão, deram opções de aprendizagem e permitiram que os alunos criassem.

Reforçando a utilidade das metodologias ativas no processo de aprendizagem. Oferecendo maior autonomia e iniciativa para o aluno.

metodologias ativas de aprendizagem na prática

Esses elementos apresentaram bons resultados tanto na sala de aula online como presencial e, portanto, podem ser facilitadores da criação de um ambiente de aprendizagem positivo, seja ele síncrono ou assíncrono.

A pesquisa também apontou três caminhos para criar experiências de aprendizagem motivadoras – o desenvolvimento de práticas educacionais eficazes, a escolha do conteúdo e a criação de uma cultura escolar.

Como práticas educacionais eficazes, a pesquisa sugere que os professores criem uma experiência de aprendizado envolvente para seus alunos, que deve incluir:

  • Verificações regulares de aprendizagem;
  • Trazer orientações claras para atingir os objetivos da aula;
  • Trabalhar as habilidades necessárias para a aprendizagem;
  • Atuar como mediador do aprendizado e menos como “detentor do conhecimento”;
  • Encorajar a expressão e a criatividade do aluno.

Já a escolha do conteúdo da aula deve levar em conta as necessidades do aluno, de forma contextualizada e projetada para minimizar distrações.

  • Combinar o conteúdo com o nível de aprendizagem dos alunos;
  • Trazer tópicos relevantes para o dia a dia dos alunos;
  • Usar os recursos digitais adequados para cada situação de aprendizagem.

A criação de uma cultura escolar produtiva facilita o envolvimento dos alunos e aumenta o senso de pertencimento. Como orientações, a pesquisa traz quatro pontos fundamentais para fomentar a cultura em sala de aula:

  • Cultivar a relação entre professor e aluno de forma positiva e produtiva;
  • Manter uma gestão da sala de aula de forma consistente;
  • Mostrar que o sucesso dos alunos é um investimento de longo prazo;
  • Empoderar os alunos através de um espaço de aprendizagem desafiador.

Metodologias ativas de aprendizagem como estratégia para engajamento

As metodologias ativas de aprendizagem estimulam o protagonismo do aluno, que se torna responsável pelo seu próprio desempenho no aprendizado.

Através de uma inversão de papéis, essa abordagem aumenta o engajamento dos alunos, com atividades baseadas em resolução de problemas e tarefas que promovam o desenvolvimento de habilidades socioemocionais.

Os estudantes aprendem em grupo, desenvolvem maior colaboração e exploram o conteúdo em busca do aprendizado de forma coletiva.

Aqui no TutorMundi, desenvolvemos um e-book completo com dicas e propostas para utilizar as metodologias ativas em sala de aula.

A publicação é um guia para criar salas de aula dinâmicas que usem ferramentas digitais em atividades positivas, estimulando a interação e o trabalho coletivo.

Também desenvolvemos uma lista com 41 ferramentas que podem ser utilizadas para tornar as aulas aulas online mais interessantes. Confira.

41 ferramentas para aula online

Dicas para manter seus alunos motivados com aula online

Manter os estudantes motivados é uma tarefa que envolve estratégias constantes. Para evitar que o desinteresse vire problemas mais sérios no futuro, algumas ações podem ser adotadas ao longo do ano.

  • alunos desmotivados e desinteressados
  • alunos desmotivados e desinteressados
  • alunos desmotivados e desinteressados
  • alunos desmotivados e desinteressados
  • alunos desmotivados e desinteressados
  • alunos desmotivados e desinteressados

Estimule a interação

A rigidez do ambiente virtual não precisa ser um motivo para diminuir a humanização no contato com os alunos.

Incentivar a comunicação, seja com o uso de webcams ligadas, ou de forma assíncrona com feedbacks contínuos sobre as atividades, é uma forma de abrir espaço para o diálogo.

Além da comunicação entre professor e aluno, é importante estimular o debate. Atividades que utilizam estratégias ativas como a aprendizagem baseada em equipes são uma ótima forma de construir espaços de interação entre os estudantes.

Reconheça o trabalho dos alunos

A crise causada pela pandemia tem influência sobre o estado emocional dos alunos, e até manter a câmera ligada pode ser uma tarefa difícil para quem está com a saúde mental fragilizada.

Por isso, reconhecer o esforço dos estudantes em se comprometer com as aulas online também tem bons resultados para aumentar a participação.

Uma opção é parabenizar o comportamento dos alunos com nota por participação. No entanto, é válido ficar atento para que a ação não afaste os estudantes mais tímidos e promova uma exclusão ainda maior.

Prepare a aula com antecedência

Em um ambiente virtual, o professor disputa atenção com muitas distrações. Por isso, assim como nas aulas presenciais, a preparação do conteúdo é muito importante para que a aula online seja agradável.

Evite improvisos e use a sua criatividade. É possível utilizar tudo o que o mundo digital oferece para aumentar a interatividade com o aluno.

Lance mão de vídeos, jogos e recursos virtuais para prender a atenção do aluno e oferecer uma experiência de aprendizado motivadora.

Saiba mais >> Aulas mais efetivas com sala de aula invertida

Traga contexto para a aula

Não existe nada mais desanimador do que estudar um assunto que parece não trazer impacto na sua vida. Por isso, apresente os assuntos da disciplina de forma contextualizada.

Mostrar como o conteúdo se relaciona com assuntos do dia a dia estimula a curiosidade e abre espaço para que o aluno traga a sua visão de mundo.

Compartilhar histórias de outras pessoas na mesma faixa etária também permite que o aluno se reconheça com personagens reais e se sinta representado.

Seja criativo na avaliação

Faça um teste na sua aula. Antes de começar uma atividade, diga que ela valerá nota. Provavelmente você vai perceber uma mudança na postura dos alunos.

Ao invés de fazer uma única avaliação, levar o processo para toda a experiência de aprendizagem estimula a participação e aumenta a atenção do aluno. 

Mas é importante evitar usar o recurso como uma forma de intimidar os estudantes. A avaliação deve fazer parte da cultura escolar, entendendo que o bom comportamento em sala de aula e a interação trazem bons resultados.

Ir além da prova e avaliar as atividades e projetos realizados incentiva que o estudante busque alternativas para se destacar e consiga melhorar seu desempenho de forma personalizada.

Crie um senso de pertencimento

Cada aluno merece ser visto, ouvido e respeitado. Por isso, pense em realizar atividades que estimulem que o estudante leve o seu “eu” para a aula.

Incorpore debates e discussões nas atividades online e permita que os alunos tragam o seu ponto de vista sobre o tema.

Começar as aulas com um momento de sociabilidade, utilizar os intervalos para fazer “alongamentos” e oferecer tempo para que os alunos tenham um hangout supervisionado podem ajudar a usar o tempo da aula para criar relações mais humanas. 

Explore o ensino híbrido na sua escola

Uma alternativa apontada para reduzir as dificuldades de aprendizagem na pandemia é o ensino híbrido, estratégia que utiliza atividades presenciais e momentos de aprendizado online para aumentar o engajamento e aprimorar as lições.

Saiba mais >> Como estamos lidando com o ensino híbrido no Brasil?

Segundo especialistas em educação, a aprendizagem híbrida é uma das 5 tendências que farão parte do dia a dia nas escolas em 2022. E o motivo vai além da necessidade de digitalizar o ensino.

O ensino híbrido tem como vantagem dar maior liberdade aos estudantes, proporcionando autonomia na sua aprendizagem, e o uso de ferramentas que os jovens dominam, como celular e computador. 

Esse modelo de aprendizado também diminui as limitações de tempo e espaço, se valendo do momento em que o aluno está mais engajado e motivado para aprender.

O futuro do ensino híbrido vai incorporar práticas integradas a metodologias ativas de aprendizagem em seu processo, como atividades baseada em projetos, e a tutoria online, uma nova forma de pensar o reforço escolar.

Conclusão

O desafio de conquistar o interesse dos estudantes em sala de aula sempre vai existir. Como vimos neste artigo, uma alternativa eficaz para melhorar os índices de engajamento é trazer o aluno para o centro do processo de ensino aprendizagem.

O ensino híbrido e as metodologias ativas não são apenas termos em alta nas escolas. Eles têm a função de superar os obstáculos criados pelas mudanças do século XXI e ajudar no aprendizado dos alunos.

Gostou do artigo? Aqui no blog do TutorMundi temos uma série de conteúdos que podem ajudar a melhorar o desempenho da sua escola e tornar seus alunos mais confiantes e contentes com as aulas. Assine nossa newsletter e acompanhe o que trazemos para você toda semana!

Fontes

GoGuardian Finds Three Factors That influence K-12 Student Engagement Online and In-Person

A situação dos professores no Brasil durante a pandemia

The Science of Keeping Kids Engaged—Even From Home

Compartilhar esse artigo:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no twitter
Rodrigo Dutra

Rodrigo Dutra

Estrategista de marca e especialista de conteúdo, minha missão é encontrar formas de flexibilizar e personalizar o aprendizado para que alunos irem além de seus potenciais.

Gostou? Deixe sua opinião

Quer inovar a jornada educacional?

Seja um líder educacional e inscreva-se em nossa newsletter.

Esse website usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação